Fizemos quatro perguntas aos nossos seguidores no Instagram a propósito do tema discutido no episódio anterior, “A excitação é o novo orgasmo?” Marta Crawford comenta as respostas que nos enviaram.

Nesta pergunta tivemos apenas uma resposta masculina, que considera que o orgasmo é o auge da excitação, não o dissociando da excitação, o que corresponde a um pensamento comum entre os homens. Entre as mulheres as respostas claramente valorizam o papel essencial da excitação sexual, principalmente aliado a sentimentos de partilha e paixão.

 

Não, prefiro o caminho, tem dias, foram respostas femininas a esta questão, e que seguem a tendência na forma como as mulheres entendem a intimidade. Eles tiveram uma maior variação nas suas  respostas: sim e rápido, é essencial para a minha saúde mental, quase quase ou 50/50 o que revela nestes dois últimos casos, uma forma de viver a sexualidade mais abrangente e menos centrada no orgasmo e provavelmente na penetração.

As respostas delas são diretas: não há, não fica, quando algo faz sofrer, parar, ou um conceito em que não se revê, pois tem que ser por inteiro — com prazer e excitação, ou um emoji confrangido. Eles respondem que o prazer fica constantemente adiado ou que resolvem a situação com doces.

Apenas tivemos respostas femininas a esta pergunta e todas elas ligadas à faceta sensorial muito valorizada pelas mulheres: o cheiro, a pele, o toque, estar por completo, a descoberta dos pequenos pormenores e ui ui

Talvez fosse interessante os homens estarem mais atentos a estas respostas. A superfície da pele tem cerca de dois metros de extensão e é o maior órgão sexual do ser humano. Existem cerca de cinco milhões de recetores do tato na pele que enviam impulsos nervosos ao cérebro através da medula. O sentido do tato é fundamental para as mulheres e pele contra pele provoca imediatamente uma partilha. 

Sugiro que se encontrem através do toque, sem pressas, sem a necessidade de chegar a uma relação sexual com penetração, apenas concentrando-se nas sensações provocadas pelas festas, carícias e massagens. Experimentem fazê-lo à vez. De certeza que o casal sentir-se-á muito mais íntimo e provavelmente encontrará a sua equação perfeita para o prazer.

 
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Share on google