Play Video

A saúde mental está a mexer com a sexualidade dos portugueses? E como reaprender a sexualidade num corpo novo depois de uma doença? Neste episódio falamos de saúde sexual: Que é o bem-estar físico, emocional, mental e social em relação à sexualidade. Nem sempre estamos bem. E importa cuidarmos de todos esses aspetos, porque deles também depende o nosso equilíbrio e bem-estar. Começamos por abordar a saúde mental, que já era um tema importante antes da pandemia e que se agravou no último ano. Quando estamos ansiosos, stressados ou deprimidos, podemos deixar de ter tanta apetência ou disponibilidade sexual. Mas antes de se tratar a parte sexual, há que equilibrar a parte mental? Ou os tratamentos podem interligar-se? E quando passamos por um episódio de doença, que até nos deixa com algumas mazelas, motora ou outra, como fica a nossa sexualidade e a autoestima? Este é o ponto de partida de mais uma estimulante conversa entre o jornalista Bernardo Mendonça e a psicoterapeuta e sexóloga Marta Crawford, que chega a afirmar: “Quando as pessoas passam por uma dificuldade física podem até tornar-se melhores amantes na intimidade sexual.” Mas o melhor é mesmo verem e ouvirem o que aqui vai dentro deste videocast.

Play Video
Depois de uma doença, como reaprender a sexualidade num corpo novo? Como amar e ser desejado quando se passa a ter limitações físicas? É sobre isto mesmo que nos fala o ator e encenador Miguel Seabra, de 56 anos, fundador do Teatro Meridional, que aos trinta sofreu um AVC e teve de reaprender a viver e a amar num novo corpo ‘rachado ao meio’. E como lidar com os novos amores e a sexualidade depois de um cancro? Que cicatrizes emocionais ficam? A arquiteta Ana Esteves, de 58 anos, partilha a sua experiência de superação de um cancro da mama e como ultrapassou o estigma e voltou a amar.

Pode seguir este podcast também no Spotify, Soundcloud e Apple Podcasts

SEXUALIDADE E SAÚDE REPRODUTIVA



Um estudo português que incluiu jovens adultos com diagnóstico de diabetes tipo 1 revelou que as preocupações com a sexualidade e saúde reprodutiva são centrais nesta fase da vida, nomeadamente o impacto que a alteração da glicemia pode ter durante a atividade sexual e com a gestão da diabetes durante a gravidez. Estes jovens adultos mostraram preocupar-se também com as suas relações amorosas, e em como revelar a doença às pessoas de quem são parceiras e consequentes reações e impactos que esta situação poderá ter.

Fonte: Santos, A. N., Pascoal, P. M., & Barros, L. (2020). Sexuality in emerging adults with Type 1 Diabetes Mellitus: An exploratory study using thematic analysis. Journal of sex & marital therapy.

crónica —— QUARTO DOS HÓSPEDES

Isabela Figueiredo

Ando aqui a toque de caixa

A minha sapiência sobre sexo assemelha-se à de Adília Lopes: tenho um serviço de louça que herdei da minha avó onde se vê a estampa de uns namorados a segredar num banco de jardim. Acabará na indecência. Nos cafés gosto de perder tempo a observar namorados afogueados com a desvergonha destes tempos.

Ler mais
As bactérias existentes na vagina, são semelhantes às de iogurte e chamam-se lactobacilos. A vagina é ácida, tem um PH de 4, semelhante ao do café. E é um dos orifícios mais limpos do corpo humano, mais do que a boca ou o reto.
“Quando os homens têm alguma dificuldade em ter uma ereção, pensam muitas vezes que acabou a vida íntima e relacional. Acham que não têm mais capacidade para amar, para serem desejados, desejarem ou terem uma vida sexual satisfatória, o que é errado”

Marta Crawford

ENTREVISTA

João Soares

“Recordo-me que o meu avô mandava o seu motorista – o encantador e fiel senhor Joaquim – conduzir até Alfeizerão, que na altura era a uma distância brutal, para comprar pão-de-ló para as namoradas. E eu sempre achei isso um modelo de romantismo. Confesso que também já fui a Alfeizerão comprar pão-de-ló.”

Ler mais

AS PARTES PERTURBADORAS

Cartas para a minha filha

Cláudia Lucas Chéu

11.04.2021

«Mãe, sabes porque é que os homens têm os rabos achatados e as mulheres não?» Nem sequer tive tempo de responder, concluíste logo: «Porque os homens passam muito mais tempo sentados.»

Ler mais

crónica —— dentro de mim

Marta Crawford

Um pénis que tenha 7 cm quando está flácido depois de ereto pode crescer até aos 16 cm. Por outro lado, um pénis que tenha 12 cm na fase flácida pode crescer também até aos 16 cm em ereção. O aumento é grande, mas já não é tão visível. Ou seja, o tamanho do pénis em flacidez nunca é proporcional ao tamanho dele em erecção.

SEXUALIDADE E CANCRO DA MAMA


Um estudo português realizado com mulheres em pré-menopausa sobreviventes de cancro de mama revela que a função sexual destas mulheres está comprometida, especialmente no que respeita à lubrificação. O mal-estar e desconforto com a sexualidade estão presentes e são significativos. Contudo este assunto raramente é abordado em contexto clínico.

Fonte: Pontes, F. et al. (2020).Sexual dysfunction among premenopausal breast cancer survivors Annals of Oncology, Volume 31, S33. O artigo está em preprint.
“Sermos mais velhos não é estarmos fora de jogo na sexualidade. Até se podem descobrir novas formas de prazer”

Bernardo Mendonça

crónica —— o lugar do outro

Bernardo Mendonça

A pontaria de Mariana não falha

Os campos dourados de feno, no Alentejo profundo, são a paisagem no caminho para esta história marafada. Junto à estação de comboios de Ourique, em Ourique Gare, encontro Mariana Maria, conhecida na região como “Mariana Campaniça”, sentada à porta da sua taberna Café Primavera, com um mata-moscas de plástico na mão.

Ler mais

crónica —— QUARTO DOS HÓSPEDES

Pedro Vendeira

Alfaiate ou pronto a vestir?

Apesar de nos últimos anos se ter vindo a assistir a uma maior difusão nos meios de comunicação social sobre este assunto, proporcionando uma melhor compreensão de uma doença (Disfunção Eréctil), a verdade é que há ainda muito trabalho pela frente.

Ler mais
“Uma coisa é o sexo, outra coisa é intimidade. Os casais podem estar em intimidade, mesmo que o corpo não reaja sexualmente, já que a mente reage de uma forma extraordinária.”

Marta Crawford

Esta é uma das perguntas que colocámos aos nossos seguidores no Instagram a propósito do tema do episódio anterior, “a vida assusta ou estimula as pessoas a terem filhos?”. Marta Crawford comenta aqui uma selecção das respostas que nos enviaram.
TERAPIA SEXUAL E ESCLEROSE MÚLTIPLA

Uma revisão da literatura científica mostra que a terapia sexual e exercícios para a musculatura do pavimento pélvico ajudam as mulheres diagnosticadas com esclerose múltipla e que têm problemas sexuais, nomeadamente dor sexual.

Fonte: Esteve-Ríos A, Garcia-Sanjuan S, Oliver-Roig A, Cabañero-Martínez MJ. Effectiveness of interventions aimed at improving the sexuality of women with multiple sclerosis: a systematic review. Clinical Rehabilitation.

Poesia —— Inês Pedrosa

Primeiro a tua língua molha o meu / coração, num vagar de fera. Estendo, / aurículas e ventrículos sobre a mesa, entre / os copos, que desaparecem. Não há mais

Ler mais

Para que o prazer esteja convosco começamos com “Patty Diphusa e Outros Textos”, de Pedro Almodóvar; passamos para o clássico “A Casa Grande de Romarigães”, de Aquilino Ribeiro; e o brilhante “Middlesex”, de Jeffrey Eugenides; sugerimos também o visionamento urgente do documentário “Crip Camp: A Disability Revolution”. E ainda os filmes: “Seis Sessões” e “Laurence Anyways”. Desfrutem!

Ler mais
Play Video

PATRÍCIA JÁ FOI VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, MAS CONSEGUIU SAIR DESSE MAU FILME. EMA E PRISCILA SÃO UM CASAL, MAS CONTINUAM A SER ABORDADAS NA RUA POR HOMENS COM ASSOBIOS E PIROPOS, PORQUE “DUAS MULHERES JUNTAS SÃO SEMPRE VISTAS COMO DUAS MULHERES SOZINHAS”. ALEXANDRA E TIAGO CORRIGIRAM O DISCURSO DA FILHA QUANDO ELA CONSIDEROU ‘PORCA’ UMA COLEGA QUE TINHA TIDO VÁRIOS PARCEIROS. ANA PAULA NÃO PERCEBE A DIFICULDADE DE DIZER “NÃO”, MAS SOFIA ASSISTIU AO DESPEDIMENTO DE UMA COLEGA POR ELA SE TER RECUSADO AOS AVANÇOS DO CHEFE. PARA CELEBRAR O DIA MUNDIAL DA SAÚDE SEXUAL, QUE É ASSINALADO NO DIA 4 DE SETEMBRO, BERNARDO MENDONÇA E MARTA CRAWFORD, EM COLABORAÇÃO COM O EXPRESSO E A SOCIEDADE PORTUGUESA DE SEXOLOGIA CLÍNICA, SAÍRAM À RUA HÁ DOIS ANOS PARA FALAR DE DIREITOS SEXUAIS E DOS MUITOS SILÊNCIOS QUE IMPORTA QUEBRAR. (RE)VEJA.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Share on google