TEXTO TESTEMUNHOS #02

Quando há infidelidade, há dor, desilusão e uma provável baixa autoestima da pessoa traída. É o que nos relata a ecóloga Luísa Nunes que no passado passou por alguns episódios de desamor e traição que a afastaram de si própria. “O que me faz deixar de gostar de alguém é a deslealdade, a desonestidade. Com isso não consigo viver. E pior, magoa-me tão profundamente que é isso que me faz sentir por algum tempo que posso não ter valor nenhum.” Por outro lado, o escritor Tiago Salazar, de 49 anos, assume ter traído alguns dos seus antigos amores, mas descobriu na relação com a atual parceira a abertura para viver a sexualidade de acordo com as suas necessidades e desejos. “Depois de várias experiências em que a infidelidade acabou por ditar o fim das relações, estou muito melhor sendo monogâmico. O meu pai acha que com quanto mais pessoas praticarmos [sexo] melhores somos, mais habilidosos nos tornamos no sexo. O que eu acho é que isso é um bocado um tiro na água.”