Deus é pai. E Rita é a deusa do fetiche.

De Nova Iorque a Londres. A cama era a arena. Admiradores “Rita-maníacos” que iam ao céu e aos infernos com a hipótese de serem subjugados, espremidos e esborrachados pelo poder das pernas e das coxas desta guerreira.