Poema escolhido e lido por Ju Torres, produtora e jornalista

Ó conas e caralhos, cuidai-vos! Clódia anda pelas ruas, pelas avenidas, olhando sempre abaixo de vossas cinturas! 

Cuidai-vos, adolescentes, machos, fêmeas, lolitas-velhas! 

Colocai vossas mãos sobre as genitálias! 

A leoa faminta caminha vagarosa, dourada, a úmida língua nas beiçolas claras!

 Os dentes, agulhas de marfim, plantados nas gengivas luzentes! 

Cáustica, Clódia atravessa ruas, avenidas e brilhosas calçadas. 

Ó, pelos deuses, adentrai vossas urnas de basalto porque a leoa ronda vossas salas e quartos! Quer lamber-vos a cona, quer adestrar caralhos, quer o néctar augusto de vagina e falo! Centuriões, moçoilos, guerreiros, senadores, atentai! 

Uma leoa persegue tudo o que é vivo mole incha e cresce! Trançai vossas pernas, trançai vossas mãos atentas sobre as partes pudendas! Não temais a vergonha de andar pelas ruas em torcidas posturas, pois Clódia está nas ruas!

— in “Contos D’Escárnio – Textos Grotescos”, Hilda Hilst


Hilda Hilst —— nasceu em Jaú (SP), no dia 21 de Abril de 1930. Formada em Direito pela USP, dedicou-se integralmente à criação literária desde 1954. É, juntamente com Clarice Lispector, uma das maiores escritoras brasileiras do século XX. Autora de uma obra eclética, que inclui ficção, poesia, crónicas e teatro, Hilda Hilst escreveu também alguns textos eróticos e grotescos para «alegrar-se um pouco», convencida de que «o erótico é uma santidade». Morreu a 4 de Fevereiro de 2004.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Share on google